• Antonio Carlos Pereira Gomes

Palavra do Soberano - 20/02/2022

Atualizado: 27 de abr.

SUPREMO CONSELHO DO BRASIL DOS INSPETORES GERAIS, CAVALEIROS COMANDANTES DA CASA DO TEMPLO DE SALOMÃO PARA O GRAU 33 DO RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO.



O Supremo Conselho de São Paulo nasceu do sonho de um grupo de Irmãos Grandes Inspetores Gerais da Ordem, descontentes com o tratamento dado pelos conselhos já existentes e amplamente conhecidos. Sem termos como opinar e sem a possibilidade de participarmos ativamente nas decisões, afinal a gestão destes conselhos é de cima para baixo, nos rebelamos contra essa estrutura injusta. Inicialmente, pensando em não entrar em choque com o Supremo ao qual fazíamos parte, fundamos um grupo de estudo do REAA e suas origens.


Entendemos que o nascimento do REAA em seus 33 graus se dá no Supremo Conselho de Charleston, o “Supremo Mãe do Mundo dos Inspetores Gerais, Comandantes da Casa do Templo de Salomão”, como é conhecido mundialmente. Apesar de nossos estudos, não tínhamos como repassar esse conhecimento para nossos Irmãos pelo Supremo que pertencíamos. Essa impossibilidade era revoltante e foi a chama que deu início ao novo Supremo Conselho do REAA. Desde a desfiliação do GOSP (Grande Oriente de São Paulo – 1921) junto ao GOB, em 2018, as lojas filosóficas começaram a enfrentar sérias dificuldades. São Cristóvão ao qual pertencíamos, a princípio, nos informou que não haveria qualquer problema , recolheu as taxas de anuidade de 2019 e em seguida informou aos Irmãos que tinham optado pela permanência no GOSP que estes não seriam mais aceitos em seus corpos. Os Irmãos poderiam concluir a câmara que estavam cursando, mas não admitiriam novos. No final de 2019 estávamos fora deste Supremo.


Entendemos como um verdadeiro absurdo e um desrespeito a filosofia maçônica a pressão feita pelo GOB para impedir os estudos do REAA. Posteriormente, o Supremo Conselho de Jacarepaguá sinalizou que nos acolheria de braços abertos e lá os Irmãos poderiam dar continuidade aos estudos do REAA. O Secretário Litúrgico de São Paulo de fato nos recebeu muito bem e assumiu o compromisso de que com todos os documentos prontos e taxas pagas, em 15 dias tudo estaria resolvido.


A regularidade dos Irmãos, nossas oficinas litúrgicas funcionando sem qualquer restrição, tudo acordado oficialmente. Toda documentação e pagamentos foram feitos de forma célere, inclusive nos desligando do antigo Supremo mesmo tendo pago anuidade, concluindo o processo em abril de 2019. Infelizmente, mais uma vez, a falta de palavra e o interesse mercantil na maçonaria mostrou-se presente. Aguardamos meses pela regularização dos Irmãos e a resposta era sempre a mesma: “O Soberano está muito sobrecarregado e não teve tempo de assinar o decreto”. Está claro para nós que, tanto Jacarepaguá como São Cristóvão, estão deliberadamente sufocando o GOSP, com evidente interesse do GOB.


Vários irmãos optaram por sair do GOSP, retornando ao GOB ou a GLESP para darem continuidade aos estudos. Expondo claramente a finalidade de prejudicar nossa entidade simbólica. Assim como D. Pedro fez às margens do Rio Ipiranga em São Paulo, demos o grito de liberdade às margens do Tietê em Osasco. Estamos dando vida ao Supremo Conselho de São Paulo, fora das amarras e soberbas do GOB. De acordo com toda legalidade profana, fizemos reuniões com atas, transformamos as Lojas Filosóficas de Osasco e região no Supremo Conselho do Brasil dos Inspetores Gerais, Cavaleiros da Casa do Templo de Salomão para o Grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito.


Todas as atas e estatutos devidamente registrados em cartório, como manda a legislação vigente em nossa nação. Nos espelhamos em Charleston para os estatutos e rituais. Nosso objetivo é proporcionar aos Irmãos de toda obediência regular e principalmente aos Irmãos do GOSP, a possibilidade de continuarem seus estudos no REAA, baseados nos ensinamentos de Charleston. Estamos dando os primeiros passos para tornar isso uma realidade. Somos todos Grandes Inspetores, todos com mais de 20 anos de maçonaria no REAA, conhecedores e estudiosos do rito e amplamente aptos para transmitir os conhecimentos de nossa filosofia.


Com liberdade de expressão, de opinião, construindo pontes e não muros, como tem sido feito, no Supremo Conselho de São Paulo os irmãos terão a verdadeira possibilidade de continuarem seus estudos com liberdade de pensamento e sem o medo de serem interrompidos por interesses escusos.


Nelson Luiz Frare

Soberano Grande Comendador, Grão Duque Escocês

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo